Em um encontro realizado na Praça de São Pedro nesta terça-feira no Vaticano com 50 mil coroinhas provenientes da Alemanha, Áustria e Suíça, o Papa Francisco explicou que Deus quer pessoas que sejam totalmente livres e que sempre façam o bem, como o fez a Virgem Maria ao aceitar o plano divino e ser a mãe de Jesus.

Assim o indicou o Santo Padre no encontro com os coroinhas que participam de uma peregrinação cujo tema é “Livres! Porque é lícito fazer o bem!”, inspirado no Evangelho de São Mateus. Com eles, indica a Rádio Vaticano, o Papa rezou as vésperas e lhes dirigiu umas palavras em alemão.

“As palavras de São Paulo que escutamos, tomadas da Carta aos Gálatas, chamam nossa atenção. O tempo se cumpriu, diz Paulo. Agora Deus realiza a sua obra decisiva. Aquilo que Ele quis dizer aos homens sempre –e o fez através das palavras dos profetas–, o manifesta com um sinal evidente”.

O Papa Francisco ressaltou logo que “Deus nos mostra que Ele é o bom Pai. E como o faz? Através da encarnação de seu Filho, que se torna como um de nós. Através deste homem concreto de nome Jesus, podemos entender aquilo que Deus quer verdadeiramente. Ele quer pessoas humanas livres, a fim de que se sintam como filhas de um bom Pai”.

“Para realizar esse desígnio, Deus precisa somente de uma pessoa humana. Precisa de uma mulher, uma mãe, que coloque o Filho no mundo. Ela é a Virgem Maria, que honramos com essa celebração vespertina. Maria foi totalmente livre. Em sua liberdade disse sim. Ela fez o bem para sempre. Desta maneira serve a Deus e aos homens. Imitemos seu exemplo, se queremos saber aquilo que Deus espera de nós seus filhos”.

Perguntas

Respondendo depois a algumas perguntas dos presentes, o Papa alentou a organizar-se, programar as coisas de modo equilibrado e ressaltou que “a nossa vida é feita de tempo e o tempo é dom de Deus, portanto é necessário empregá-lo em ações boas e frutuosas”.

“Talvez muitos adolescentes e jovens percam muitas horas em coisas inúteis: chatear na Internet ou com os telefones, com as ‘novelas’, com os produtos do progresso tecnológico que deveriam simplificar e melhorar a qualidade de vida, mas que pelo contrário distraem a atenção daquilo que realmente é importante”, alertou.

O Santo Padre exortou os jovens a falarem do amor de Jesus não só em suas paróquias, mas sobretudo fora delas: "os jovens têm um papel particular, falar de Jesus a seus coetâneos não só na paróquia, mas sobretudo aos de fora. Com a sua coragem, entusiasmo e espontaneidade, podem chegar mais facilmente à mente e ao coração daqueles que se distanciaram do Senhor. Muitos adolescentes e jovens da idade de vocês têm uma imensa necessidade de ouvir que Jesus os ama e perdoa".

Fonte: www.A12.com

Publicado em Notícias

A história de Paulo de Tarso, apóstolo do Senhor por convicção, já nos é bastante conhecida. Pertencente ao grupo radical do judaísmo, legalista e perseguidor dos cristãos, Paulo, misteriosamente, é escolhido por Jesus para ser seu porta-voz, e depois de uma experiência mística, acontecida no caminho para a cidade de Damasco, Paulo redescobre dentro de si uma presença que o leva a mudar radicalmente suas posturas humanas e religiosas. Esse “cair do cavalo” de Paulo tornou-se símbolo de toda conversão radical, onde o encontro com Jesus é capaz de transformar a vida da pessoa integralmente – é a promessa do Senhor no Espírito: “Eis que faço novas todas as coisas!”.

 

"Paulo é o apóstolo da razão que ilumina a fé".

A igreja segue celebrando perpetuamente a memória daquele momento de conversão, não só pelo fato em si, mas pela herança espiritual e teológica que brotou de suas cartas missionárias, escritas para animar, corrigir e exortar as comunidades por ele fundadas em muitas localidades. Estas cartas, recolhidas como literatura canônica na Bíblia, têm, ao longo dos séculos, completado as inspirações dos Evangelhos e servido de base doutrinal para muitas ações da nossa igreja.

Por isso, pelo peso apostólico de Paulo, que mesmo não conhecendo Jesus pessoalmente, o conheceu misticamente pela fé, é que a Igreja o coloca, ao lado de Pedro, como uma coluna mestra de nossa fé. Pedro e Paulo, celebrado juntos no dia 29 de junho, sintetizam dois modos de ser da Igreja de Jesus Cristo: a fé com razão e a razão iluminada pela fé! Aliás, sobre estes dois modos de conceber sua natureza já nos falou o santo, São João Paulo II, na sua Encíclica Fides et Ratio.

Paulo é o apóstolo da razão que ilumina a fé. Estudioso, preparado teologicamente, conhecedor das tradições judaicas, ele consegue unir as expectativas da Antiga Aliança com a realização, em Jesus Cristo, dessas promessas feitas ao longo da História da Salvação. Paulo esclarece de modo pedagógico, claro, explícito, que em Cristo, uma nova criação tomou conta da História e Deus realizou as promessas feitas desde sempre ao povo escolhido. Por isso Paulo se chateia com os judeus que não querem assumir essa verdade, e parte, convicto de sua fé, a pregar o evangelho aos pagãos. Paulo percebe que, em Jesus Cristo, todos, sem exceção, se tornam parte da família de Deus, e não há mais laços de sangue que garantam a salvação, e sim, laços espirituais pela fé em Cristo e na sua Ressurreição!

Roguemos a Deus que plante em nós esse dinamismo e convicção missionária de Paulo. Amém!

Fonte: www.a12.com

Publicado em Notícias